quarta-feira, fevereiro 14, 2007

The Great Trade Debate (I) (DMS)

The record trade deficit for the U.S. last year has sparked a growing debate. But the latest numbers show some little-noticed good news.
The $763 billion U.S. trade deficit racked up last year is a record breaker.


Para combater o dito deficit emergiu um debate ideológico. De um lado temos os pensadores que defendem que o Estado norte-americano deve intervir e conter o "monstro", e do outro temos pensadores que acham que o governo não deve intervir.

Eu sou partidário dos últimos. Porquê? Bom, o comércio internacional tem sofrido ao longo das últimas décadas, principalmente desde 1980, mutações que contribuíram para que os custos de logística, transportes, caíssem abruptamente; o desenvolvimento das telecomunicações abrisse espaço para novos negócios e contribuíram para a emergência de novos países poderosos ao nível do comércio internacional. Ou seja, tudo propício ao funcionamento de uma economia cada vez mais livre, cada vez mais sem fronteiras.

Os E.U.A. têm uma economia que é a quarta mais livre do mundo. Sempre funcionou e funcionará. Assumir uma solução para combater o deficit "contra-natura" não resulta. O capitalismo que se respira naquele país não permite que um governo intervenha na sociedade e na economia. Um plano que prevê o aumento de impostos e uma diminuição na abertura económica não trás nada de bom. Assim sendo, os Estados Unidos perderiam o sentido clássico do termo comércio e sofreriam uma experiência macroeconómica agonizante. O controlo pretendido pelo outro grupo de pensadores resultaria num aumento das taxas de importação contra os E.U.A., e a experiência agonizante a que me refiro é facto das relações com os parceiros económicos iniciarem um processo de deterioração que, obviamente, só piorava a situação.

Bom, mas não vou alongar-me muito mais. O que devem fazer os E.U.A.? Como lidar com a dependência do petróleo e a potencial chinês? Como controlar o deficit com estes inimigos?

Fica aberto o debate, comentem e lancem os vossos bitates.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Parece-me que a sorte dos E.U.A. é o facto de só existir uma China.
O petróleo é um problema que só pode ser resolvido investindo em novas energias.
A China é um problema que pode levar mesmo a uma guerra nuclear. Quando o ouro negro for mais escasso e a China começar a exigir mais, não vai ser nada bom para o mundo.

Parabéns pelo blogue, muito abrangente.

Rodrigo Matos (estudante de Economia na UCP - Lisboa)

12:08 da tarde  
Anonymous Filipe said...

O problema são os E.U.A.! Se eles não tivessem pretensões de dominar o mundo não haveria preocupações com a China. Eles é que querem ficar por cima. Tristeza.

8:14 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Bom, parece-me que este tipo de coméntarios não merece qualquer importância. Acusações sem qualquer tipo de fundamentação são repreensíveis, mas não vou dar-me a esse trabalho.

Apesar de me considerar um neoliberal, penso que o governo dos E.U.A. deve intervir na economia e por isso na condução da globalização. Quando a economia de mercado tem problemas em lidar com a competitividade internacional, o proteccionismo tem que entrar em acção. O caso dos têxteis é um paradigma. Se, por exemplo, não se protegem as empresas portuguesas, arriscam-se a fechar e, por isso, aumentar o desemprego.

Parece-me bastante óbvio que o segundo grupo de pensadores tem toda a razão naquilo que defende.

Guilherme Oliveira - est. gestão FEP

7:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

 

 

   Links

Blogues

  • 31 da Armada
  • A Arte da Fuga
  • A Destreza das Dúvidas
  • A Origem das Espécies
  • Abrigo de Pastora
  • Abrupto
  • Atlântico
  • Axónios Gastos
  • Blasfémias
  • Bloguí­tica
  • Causa Liberal
  • Combustões
  • Conversas Vadias
  • Da Rússia
  • Do Portugal Profundo
  • Grande Loja do Queijo Limiano
  • João Pereira Coutinho
  • Letras com Garfos
  • Lóbi do Chá
  • Margens de Erro
  • My Guide to your Galaxy
  • O Futuro Presente
  • O Insurgente
  • O Mal de Portugal
  • O Observador
  • O Purgatório
  • Observatório da Jihad
  • Por Causa Dele
  • Por Tu Graal
  • Pura Economia
  • Quadratura do Círculo
  • Relações Internacionais
  • Retórica
  • Tempos Interessantes
  • Teoria da Suspiração
  • The Guest of Time
  • The Intelectual Life
  • Tomar Partido
  • Blogues Internacionais

  • Cato @ Liberty
  • Counterterrorism Blog
  • Freakonomics Blog
  • JCB Blog
  • Johan Norberg Blog
  • NEI Nuclear Notes
  • Private Sector Development Blog
  • Secondhand Smoke
  • The Conservative Philosopher
  • Imprensa

  • Público
  • Correio da Manhã
  • Jornal de Notí­cias
  • Diário Digital
  • Diário de Notí­cias
  • Agência Lusa
  • Diário Económico
  • Jornal de Negócios
  • Courrier Internacional
  • Expresso
  • Visão Online
  • Sol
  • TSF
  • Rádio Renascensa
  • Imprensa Internacional

  • ABC
  • Google News
  • Yahoo! News
  • The Economist
  • BusinessWeek
  • Foreign Policy
  • Time
  • Bloomberg
  • Financial Times
  • MSNBCnews
  • Foreign Affairs
  • CNN
  • Fortune
  • The Atlantic
  • The Times
  • The New York Times
  • Washington post
  • Zenit
  • Reuters
  • MercatorNet
  • Agence France Press
  • Courrier International
  • Le Monde
  • All Africa
  • Jornal de Angola
  • Invertia
  • Aljazeera
  • China Daily
  • Informações

  • IEEI
  • CIARI
  • IPRI
  • CIEJD
  • IGFSE
  • SEDES
  • Crí­tica
  • O Portal da Cidade de Braga
  • Universidade do Minho
  • Centro Universitário do Minho
  • Parleurop
  • Rede Eléctrica Nacional
  • Páginas Amarelas
  • Icep Portugal
  • Comissão Nacional de Eleições
  • Instituto Nacional de Estatí­stica
  • Dicionário de Lí­ngua Portuguesa
  • Banco de Portugal
  • Compromisso Portugal
  • União Europeia
  • Serviço de Informações de Segurança
  • Presidência da República
  • Portal do Governo
  • Diário da República Electrónico
  • Assembleia da República
  • Informações Internacionais

  • WTO
  • OPEC
  • OECD
  • OSCE
  • NATO
  • Hoover Institution
  • BP Global
  • Institute for International Economics
  • The World Bank
  • International Monetary Fund
  • Center for Security Policy
  • Chatham House
  • Council on Foreign Relations
  • Institut d'Études de Sécurité
  • Eurobarometer
  • Institute of Development Studies
  • G8 Information Centre
  • United Nations
  • Terrorism Research Center
  • The International Institute For
    Strategic Studies

  • CIA - The World Fact Book
  • Religião Católica

  • A Santa Sé
  • Opus Dei
  • Catholic Fire
  • Partidos Polí­ticos Portugueses

  • Partido Social Democrata
  • CDS/Partido Popular
  • Partido Nova Democracia
  • Partido Socialista
  • Partido Comunista Português
  • Bloco de Esquerda
  • Partidos e Instituições Conservadoras

  • International Democratic Union
  • The Conservative Party
  • Republican National Committe
  • American Conservative Union
  • The Churchill Center
  • Margaret Thatcher Foundation
  • Union pour un Mouvement Populaire
  • CDU/CSU
  • Conservative Party of Canada
  • Liberal Party of Australia