sábado, setembro 23, 2006

O valor da Pátria. (DMS)

Li esta notícia do Diário Digital:

Sondagem: 28% dos portugueses preferia ser espanhol

Mais de um quarto dos portugueses são da opinião que Portugal e Espanha deveriam ser um só país e a esmagadora maioria destes acredita que o país se desenvolveria mais se fizesse parte desse Estado Ibérico.

A sondagem, realizada pela Intercampus para o semanário Sol, revela que 63,9% dos inquiridos defenderia a República nesse Estado unificado, mas 52,6% aponta Juan Carlos como possível rei do império ibérico.

Dos 741 inquiridos, a grande maioria (68,1%) acredita que se Portugal se unisse a Espanha, os portugueses seriam tratados em igualdade.


Apesar da amostra ser demasiado pequena e não merecer, porventura, este post faz-me pensar o que seria dos nossos oito séculos de história se tal acontecesse? De que valeria o esforço de tantos portugueses para construir Portugal? Será justo fazer este tipo de sondagens? Será isto uma prova de imaturidade social? Porque é que esses 28% não se limitam e emigrar? Essas pessoas não merecem a nacionalidade portuguesa! A esta altura estarão os espanhóis a rirem-se deste povo grandioso!
Já dizia o anónimo, somos povo sorumbático mas, espicaçados, em heróis nos convertemos. Somos povo fincado à terra mas, espicaçados, metemo-nos a caminho e damos novos mundos ao mundo. Lamento e tenho pena de quem pensa o contrário.

13 Comments:

Anonymous Anónimo said...

pois eu son galego e... en realidade non estamos, como dis, a rir con esta enquisa, nin moito menos. Penso que a idea dun estado ibérico común é moi interesante e daría á Iberia un peso específico na UE e no mundo.

España está deixando de ser o país centralista castelán do pasado para ser un país no que convivamos a gusto galegos, cataláns, vascos, casteláns... e porque non portugueses.

De feito non sería xa España, senón Iberia.

12:12 da manhã  
Blogger Diogo Mendes Silva said...

Caro hermano,

Há múltiplas razões históricas que nos separam totalmente de Espanha. Nós temos bandeira, língua, hino, somos um país integrante da UE, somos membros da NATO, temos representação na ONU enfim, penso que não está a ser rigoroso ao comparar-nos com os galegos, bascos, castelhanos, etc! Somos um povo!
O mercado Ibérico faz sentido o que não faz sentido é misturar soberanias!

9:56 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

eu creo que si é rigoroso... os galegos somos un pobo tamén, temos bandeira, hino, língua, e unha identidade fortísima.

Os roteiros da historia quixeron que os galegos, ó igual que cataláns ou vascos, rematásemos sendo parte do Estado Español, aínda que por estas terras non teñamos un sentimento español realmente forte.

A historia, caprichosa sempre, puido ter rematado doutro xeito, con Galiza independente e Portugal non, quen sabe.

Eu son dos que cren que a unidade fai a forza, e non apoio unha Galiza independente, pero non porque sinta ningún orgullo de ser español, senón porque se o actual Estado español fai un esforzo (e estáo a facer), galegos, cataláns e vascos imos ser recoñecidos como nacións, e o estado Español vaise convertir nun estado plurinacional.

Penso que se todos -e inclúo a Catalunya, Euskadi, Galiza, Castela e Portugal- chegaramos a un acordo, poderiamos constituir un Estado Ibérico plurinacional.

É certo que na UE xa temos un mercado común... pero non é menos certo que a unión fai a forza. Pensa... España é a oitava economía do mundo, e estase a falar sobre a entrada no G-8, un estado Ibérico definitivamente non tería o máis mínimo problema para entrar nese clube.

Amáis diso, xuntos somos máis de cincuenta millóns de habitantes... seríamos un dos países con maior capacidade de decisión nos Consellos da UE.

Penso que para iso é necesaria, dende logo, a vontade de todos e tamén un recoñecemento da plurinacionalidade dese estado, e penso que é perfectamente posible.

Eu veríalle moitas máis vantaxes que problemas... sempre pense que os pobos ibéricos (que non sodes só portugueses e casteláns, senón tamén galegos, vascos e cataláns) temos moito máis en común do que nos diferencia.

Se se fai ben, Portugal seguiría a ser Portugal, pero agora sendo parte dun estado ibérico que sería referencia no mundo.

Sei que é probable que sexa unha utopía... pero a min persoalmente gustaríame.

Ó mellor é por ser galego, pero sempre sentín a Portugal como parte da miña propia identidade, pero non renuncio a ser español, porque esta España non ten nada que ver coa do franquismo, Galiza ten o seu estatuto de autonomía, o galego é o idioma principal e ás veces único da administración galega, recoñécese a Galiza como "nacionalidade histórica" e temos unha autonomía semellante á dos estados federais alemáns.

E seguimos a avanzar neste sentido. Da antiga España "una, grande y libre" xa non queda nada, por sorte.

Saúdos dun galego iberista.

10:25 da manhã  
Blogger Diogo Mendes Silva said...

Por acaso a Galiza é membro da NATO? Da ONU? Possui serviços de informações que visão manter a indepenência nacional (SIED)? Por favor, não reduza Portugal à Galiza ou à Catalunha!
E porque não seria a Espanha portuguesa? Eu não vejo mal nenhum nisso! Ficavamos também fortíssimos segundo o seu raciocinio! Mas preferia que fossemos todos portugueses! Um galego português!
Caro galego, jamais serei de nacionalidade espanhola! Nasci em Portugal e serei sempre português.

10:49 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

e que non terías a nacionalidade española! nin eu tampouco!

Os estados español e portugues non son empresas que se absorven entre si!

Desa unión nacería un novo estado, que non sería España nin Portugal, sería Iberia.

Utópico, xa o sei...

10:54 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Realmente, a Galiza não é membro da Nato! Espanha é que é! Realmente, a Galiza não tem embaixador na ONU! Espanha é que tem! De facto, é comparar o incomparável.
Ah, Diogo! Excelente ideia! Porque não os galegos, bascos, etc, não se submeterem à soberania nacional?

Bernardo Soares

10:59 da manhã  
Blogger Diogo Mendes Silva said...

Caro galego,

A ideia é demasiado utópica, tem razão! Por isso, nem sequer faz sentido discuti-la. Esse suposto estado Iberia tem interesse para a Galiza e a Catalunha não tem interesse para um PAÍS como Portugal.
É certo que o meu país tem problemas estruturais aparentemente sem solução e, as pessoas, em vez de enfrentarem os problemas e apontar soluções preferem mudar de nacionalidade! Mas, eu acredito que Portugal voltará a ser grande leia-se, voltará! Porque já foi.

Relativamente a esse estado Iberia, haveria imensos problemas como, por exemplo, quem governaria? Em que língua seria escrita a constituição? Enfim, nem sequer faz sentido esta discussão sobre um novo estado!
Só aceito uma coisa, que Espanha faça parte de Portugal. Nada mais.
Mas isto é a minha opinião e, obviamente, não poderia decidir pela maioria.

11:13 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Bernardo... ter ou non ter embaixador na ONU ou ser membro da OTAN non é un argumento para ser ou non ser unha nación. É argumento para ser ou non ser un estado.

E os estados non entenden de nacións... a actual España non é unha nación, é unha suma de nacións que constitúen un mesmo estado.

Á diferencia de Portugal, que é un estado formado por unha soa nación, a nación portuguesa.

Os estados evolucionaron ó longo da historia en función de guerras e de casamentos de reis... e dicir, sen ter en conta a vontade dos pobos.

Galiza puido ter rematado coma un estado independente (e tería embaixador na ONU, e seguramente sería membro da OTAN), ou puido ter rematado coma unha parte máis de Portugal.

Pero non foi así, rematou coma unha parte de España, coma unha das nacións que a compoñen.

E penso que hoxe xa non ten sentido lamentar iso... hai que mirar cara o futuro, síntome orgulloso de ser galego, é a miña única identidade, a miña patria e a miña bandeira, pero creo na unión e non na idependencia.

E a idea dunha unión maior, composta por tódolos pobos da península e a máis ambiciosa que se pode defender.

Se todos apostásemos por Iberia, seríamos moito máis fortes. Temos moito máis en común do que nos separa.

11:20 da manhã  
Blogger Rui Miguel Ribeiro said...

Francamente, não acredito nessa sondagem. É a típica reacção de frustração de quem se sente deprimido por uma sucessão de anos em que Portugal tem andado em marcha atrás. Se a questão se colocasse de forma efectiva, a resposta seria seguramente diferente para melhor. Se calhar se a pergunta regerisse a Suécia, o Reino Unido, a Holanda ou a Alemanha, também haveria muitos a dizer que sim pelos mesmos motivos: sair (da forma aparentemente mais fácil) da "apagada e vil tristeza".
Para mim, a ideia é anátema. ABOMINÁVEL! Francamente, se fosse feita a união ibérica de forma voluntária e democrática, ia-me embora. Preferia sair a viver num país, num Estado-nação, suicidário. Por outro lado, confesso que acho menos improvável uma parcial e gradual desintegração de Castela do que a união definitiva. Deus nos livre e guarde!

12:55 da manhã  
Anonymous André Marques said...

Se bem que possa haver um sentimento de simpatia para com os galegos, ou de ânsia por atingir os níveis de desenvolvimento do nosso país vizinho, penso que Portugal e Espanha nunca poderiam constituir um só país.

Galiza, Catalunha, País Basco são, para todos os efeitos, Nações aglutinadas num só Estado. Possuem um certo grau de autonomia (língua própria, etc), mas ao mesmo tempo pertencem historicamente ao mesmo país.

No momento actual, parece mais provável uma secessão do que uma união ibérica.

12:32 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Como explicar a irritação visceral que me produzem este tipo de discussões? Pude viver o impacto dessa mal intencionada, pouco ética e imatura sondagem, do outro lado da Península... A reacção? Surpresa da parte dos mais sensatos... Uma certa alegria irónica da parte dos extremistas galegos... Aliás, já lá vai quase um ano dessa publicação palerma e os seus efeitos nocivos continuam a sentir-se.. Lamentável... E pergunto-me: o que pretendiam os que tiveram essa infeliz ideia? Reforçar o pessimismo reinante? "1143, quem não sabe esta data, não é bom português" Lembram-se? Em 2007, continua a ter sentido... Acredito que existe, deve existir, como em tudo, um equilíbrio entre desfrutar de uma mente aberta e capaz de inovar e pensar em grande, e o amor e o respeito às origens... Se não sabemos quem somos, de onde vimos, como podemos saber para onde queremos ir? Como sonhar? Aproveito para recomendar a sequencia de artigos do Juan Manuel de Prada "A nova tirania", publicados no Semanal. Ana MM

9:13 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O QUE É DELES É DELES.
O QUE É NOSSO É NOSSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

O TEMA É "O VALOR DA PÁTRIA" E HÁ AQUI MUITO PAROLO QUE FUGIU AO TEMA E COMENTOU ERRADICALMENTE PRINCIPALMENTE ESSE GALEGO.

O QUE É NOSSO É NOSSO!!
VIVA PORTUGAL!!!!


ASS:PEREIRA, O PATRIÓTA

2:41 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Se D. AFONSO HENRIQUES FOSSE VIVO E EU TIVESSE UMA OPORTUNIDADE,
EU BEIJAVA-LHE O CÚ

2:42 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

 

 

   Links

Blogues

  • 31 da Armada
  • A Arte da Fuga
  • A Destreza das Dúvidas
  • A Origem das Espécies
  • Abrigo de Pastora
  • Abrupto
  • Atlântico
  • Axónios Gastos
  • Blasfémias
  • Bloguí­tica
  • Causa Liberal
  • Combustões
  • Conversas Vadias
  • Da Rússia
  • Do Portugal Profundo
  • Grande Loja do Queijo Limiano
  • João Pereira Coutinho
  • Letras com Garfos
  • Lóbi do Chá
  • Margens de Erro
  • My Guide to your Galaxy
  • O Futuro Presente
  • O Insurgente
  • O Mal de Portugal
  • O Observador
  • O Purgatório
  • Observatório da Jihad
  • Por Causa Dele
  • Por Tu Graal
  • Pura Economia
  • Quadratura do Círculo
  • Relações Internacionais
  • Retórica
  • Tempos Interessantes
  • Teoria da Suspiração
  • The Guest of Time
  • The Intelectual Life
  • Tomar Partido
  • Blogues Internacionais

  • Cato @ Liberty
  • Counterterrorism Blog
  • Freakonomics Blog
  • JCB Blog
  • Johan Norberg Blog
  • NEI Nuclear Notes
  • Private Sector Development Blog
  • Secondhand Smoke
  • The Conservative Philosopher
  • Imprensa

  • Público
  • Correio da Manhã
  • Jornal de Notí­cias
  • Diário Digital
  • Diário de Notí­cias
  • Agência Lusa
  • Diário Económico
  • Jornal de Negócios
  • Courrier Internacional
  • Expresso
  • Visão Online
  • Sol
  • TSF
  • Rádio Renascensa
  • Imprensa Internacional

  • ABC
  • Google News
  • Yahoo! News
  • The Economist
  • BusinessWeek
  • Foreign Policy
  • Time
  • Bloomberg
  • Financial Times
  • MSNBCnews
  • Foreign Affairs
  • CNN
  • Fortune
  • The Atlantic
  • The Times
  • The New York Times
  • Washington post
  • Zenit
  • Reuters
  • MercatorNet
  • Agence France Press
  • Courrier International
  • Le Monde
  • All Africa
  • Jornal de Angola
  • Invertia
  • Aljazeera
  • China Daily
  • Informações

  • IEEI
  • CIARI
  • IPRI
  • CIEJD
  • IGFSE
  • SEDES
  • Crí­tica
  • O Portal da Cidade de Braga
  • Universidade do Minho
  • Centro Universitário do Minho
  • Parleurop
  • Rede Eléctrica Nacional
  • Páginas Amarelas
  • Icep Portugal
  • Comissão Nacional de Eleições
  • Instituto Nacional de Estatí­stica
  • Dicionário de Lí­ngua Portuguesa
  • Banco de Portugal
  • Compromisso Portugal
  • União Europeia
  • Serviço de Informações de Segurança
  • Presidência da República
  • Portal do Governo
  • Diário da República Electrónico
  • Assembleia da República
  • Informações Internacionais

  • WTO
  • OPEC
  • OECD
  • OSCE
  • NATO
  • Hoover Institution
  • BP Global
  • Institute for International Economics
  • The World Bank
  • International Monetary Fund
  • Center for Security Policy
  • Chatham House
  • Council on Foreign Relations
  • Institut d'Études de Sécurité
  • Eurobarometer
  • Institute of Development Studies
  • G8 Information Centre
  • United Nations
  • Terrorism Research Center
  • The International Institute For
    Strategic Studies

  • CIA - The World Fact Book
  • Religião Católica

  • A Santa Sé
  • Opus Dei
  • Catholic Fire
  • Partidos Polí­ticos Portugueses

  • Partido Social Democrata
  • CDS/Partido Popular
  • Partido Nova Democracia
  • Partido Socialista
  • Partido Comunista Português
  • Bloco de Esquerda
  • Partidos e Instituições Conservadoras

  • International Democratic Union
  • The Conservative Party
  • Republican National Committe
  • American Conservative Union
  • The Churchill Center
  • Margaret Thatcher Foundation
  • Union pour un Mouvement Populaire
  • CDU/CSU
  • Conservative Party of Canada
  • Liberal Party of Australia